Sobre o Projeto

O hidrogênio tem sido reconhecido como um importante elemento para a descarbonização da economia, especialmente em setores de difícil redução de emissões de gases potencializadores do efeito estufa (GEE), além de ser um ativo estratégico para o futuro do setor de energia e das relações exteriores. Neste contexto, o Brasil tem a oportunidade de se tornar um dos principais players, tendo em vista as características de seu setor energético e o potencial para geração de hidrogênio por meio de fontes renováveis.

 

O Projeto H2

O projeto de P&D “Desenvolvimento de plataforma de análise técnica, econômica e ambiental da viabilidade da produção, armazenamento, transporte e uso final de H2”, também conhecido como Projeto H2, é fruto de uma parceria entre o Grupo de Estudos do Setor Elétrico – GESEL, a PUC-Rio e a proponente GUASCOR.

De maneira geral, o projeto tem como principal objetivo desenvolver uma ferramenta analítica que possibilite a análise da viabilidade técnica, econômica e ambiental da produção, armazenamento, transporte e uso final de hidrogênio azul e verde. Desta forma, espera-se que a plataforma seja capaz de oferecer suporte ao desenvolvimento de uma economia de hidrogênio no Brasil, seja para uso doméstico ou exportação.

A Economia do Hidrogênio

O hidrogênio tem sido reconhecido como um importante elemento para a descarbonização da economia, especialmente em setores de difícil redução de emissões de gases potencializadores do efeito estufa (GEE), além de ser um ativo estratégico para o futuro do setor de energia e das relações exteriores.

Por conta de suas potenciais aplicações, o hidrogênio pode vir a contribuir para a superação de diversos desafios do novo cenário energético, através:

i. da descarbonização de setores de difícil redução de emissões de GEE;

ii. do armazenamento da energia excedente de fontes renováveis; e

iii. do fornecimento de segurança de abastecimento, devido a sua versatilidade de produção (fontes renováveis e não renováveis) e diversidade de aplicação (direta ou convertida em eletricidade ou outros produtos de interesse comercial – Power-to-X).

Neste sentido, de acordo com o Hydrogen Council, o hidrogênio vem se consolidando como um elemento basilar para a transformação dos sistemas energéticos, podendo contribuir com as mudanças necessárias para reduzir as emissões de CO2 em 60% até 2050. Vale ressaltar que, dentre as alternativas para produção de hidrogênio, a rota do hidrogênio verde (eletrólise da água a partir de fontes renováveis) vem se mostrando como a de maior relevância a nível internacional, o que torna o Brasil um potencial player nesta nova economia em desenvolvimento.